Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/07/11 às 13h47 - Atualizado em 29/10/18 às 11h58

Desemprego no DF registra leve queda em junho

(27/07/2011 – 10:47)

A Taxa de Desemprego Total no Distrito Federal apresentou pequena variação negativa entre os meses de maio e junho, ao passar de 13,0% para 12,7% da População Economicamente Ativa. É a menor taxa desde 1992, quando teve início a série histórica da PED/DF.

A população desempregada no Distrito Federal no mês de junho foi de 178 mil pessoas, 5 mil a menos em relação ao mês de maio. Esse resultado foi decorrente da criação de 7 mil postos de trabalho, número superior ao da entrada de pessoas no mercado de trabalho (3 mil).

Em relação a junho de 2010, observou-se diminuição da Taxa de Desemprego Total de 14,0% para 12,7%, em decorrência do declínio da Taxa de Desemprego Aberto (de 9,9% para 9,0%) e da Taxa de Desemprego Oculto (de 4,1% para 3,7%).

Os setores de atividade responsáveis pelo aumento da ocupação foram: Serviços (1,6%, ou 10 mil ocupações geradas), Administração Pública (2,7%, ou 5 mil), Indústria (2,1%, ou 1 mil), e Construção Civil (1,5%, ou 1 mil). Houve recuo no Comércio (3,9%, ou 8 mil postos a menos) e no agregado Outros Setores (2,0%, ou 2 mil ocupações).

O Total de Assalariados no Distrito Federal aumentou 1,6% no mês de junho, em decorrência do aumento no Setor Público (1,9%) e entre aqueles com Carteira Assinada no Setor Privado (1,9%). O trabalho Autônomo diminuiu 1,9% e aqueles classificados nas Demais Posições ocupacionais reduziram 1,6%, enquanto o assalariamento Sem Carteira Assinada no Setor Privado manteve-se estável.

O Tempo Médio de Procura por Trabalho reduziu de 47 semanas em junho de 2010 para 44 semanas em junho de 2011.

O Rendimento Médio Real dos Ocupados para o mês de maio, de R$1.926, diminuiu 1,0%, em relação a abril, mesma variação registrada para os Assalariados, cujo valor monetário passou a ser de R$ 2.075. As Categorias Ocupacionais que apresentaram recuo no rendimento foram os Autônomos (5,0%), os Assalariados no Setor Público (2,6%) e os Assalariados no Setor Privado Com Carteira Assinada (1,0%). O rendimento médio dos assalariados Sem Carteira no Setor Privado apresentou aumento de 5,1%.

A desigualdade na distribuição dos rendimentos diminuiu no período de 12 meses. Entre os Ocupados, os 25% mais pobres apresentaram aumento de 9,9% no Rendimento Médio Real, enquanto os 25% mais ricos apresentaram diminuição de 7,2%. Entre os Assalariados, os 25% mais pobres apresentaram aumento de 2,6% no Rendimento Médio Real, enquanto os 25% mais ricos apresentaram diminuição de 9,6% (Tabela 11 – Anexo Estatístico).

Veja, a pesquisa na íntegra, no link abaixo:

Resultados PED – junho 2011

Ascom/Eliane Menezes

CODEPLAN - Governo do Distrito Federal

Companhia de Planejamento do Distrito Federal

Setor de Administração Municipal - SAM, Bloco H, Setores Complementares - CEP: 70.620-080 - codeplan@codeplan.df.gov.br