Governo do Distrito Federal
14/03/22 às 18h26 - Atualizado em 14/03/22 às 18h52

DF regista inflação de 0,93% em fevereiro de 2022

COMPARTILHAR

Apesar de alto, o percentual ainda é menor que o observado em fevereiro de 2021

 

No mês de fevereiro, a capital federal apontou alta de 0,93 no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A taxa indica uma aceleração do ritmo de crescimento dos preços quando comparado a janeiro, quando foi registrada uma inflação de 0,49%. Esse movimento já era esperado, uma vez que o mesmo comportamento vem sendo observado há dois anos (2020 e 2021). O percentual é o sétimo menor entre as regiões pesquisada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), empatada com Rio Branco (AC) e abaixo da média nacional (1,01%).

 

A pressão inflacionária foi puxada pelo grupo de Educação, com variação de +5,61% o agrupamento acresceu 0,39 ponto percentual (p.p) ao índice geral do mês devido aos reajustes percebidos nos valores de matrículas em instituições de ensino superior (8,28% e 0,14 p.p.) e fundamental (6,69% e 0,10 p.p.). O grupo de Alimentação e Bebidas (1,32% e 0,22 p.p.) também contribuiu para a inflação de fevereiro, refletindo aumento de preços em Frutas (8,00% e 0,07 p.p.).

 

O único grupo a registrar deflação foi o de Transportes, com queda de 0,19% que diminuiu em 0,05 p.p. o Índice mensal. A justificativa para o comportamento foi a não promoção de reajustes dos preços de combustíveis pela Petrobras. Com isso, a Gasolina, uma das maiores fontes de pressão inflacionária nos últimos meses, figurou como maior contribuição negativa (-0,08 p.p.) do período dado a sua variação de -0,87%. Além disso, a Passagem Aérea, cuja deflação foi de 4,47%, contribuiu para retirar 0,04 p.p. do índice geral.

 

O pesquisador da Diretoria de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas da Codeplan, Renato Coitinho, explica: “Apesar de a Gasolina ter apresentado, pelo terceiro mês consecutivo, deflação, ela ainda acumula uma alta de 29,67% entre março de 2021 e fevereiro de 2022. No entanto, essa trajetória de queda deve se reverter devido ao conflito armado envolvendo a Ucrânia a e Rússia, que repercute negativamente sobre a comercialização de petróleo no mercado mundial, com reajustes significantes nos preços dos combustíveis em março já anunciados pela Petrobras. Outro ponto que merece atenção é que, com o aumento no preço dos combustíveis, os custos de transporte devem crescer, encarecendo o fornecimento de outros bens e serviços. Assim, é possível que as projeções de retorno da inflação para o limite superior da meta, que deveria ocorrer ao final de 2022, sejam atrasadas”.

 

IPCA POR FAIXA DE RENDA

 

Se tratando do IPCA por faixa de renda, observou-se que os 25% mais pobres da região perceberam aumento de 0,89% nos preços. Por outro lado, as categorias média-baixa, média-alta e alta tiveram incrementos menos expressivos de 0,55%, 0,59% e 0,60%, respectivamente.

 

O padrão é reflexo do fato de os gastos com Passagens Aéreas e Gasolina terem pesos maiores nas faixas de renda mais elevadas, contribuindo para segurar o aumento de preços percebido por elas, enquanto os alimentos têm maior peso nas faixas mais baixas.

 

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC)

 

Considerando as famílias que recebem até cinco salários mínimos, diferentemente do IPCA que captura aquelas com renda até 40 salários mínimos, o INPC percebeu alta de 0,96% em fevereiro, percentual acima do IPCA. Nesse indicador, o Distrito Federal também ficou abaixo da média nacional (1,00%) e é, novamente, o sétimo menor entre as regiões pesquisadas.

 

Acesse aqui:

Boletim_IPCA_INPC_(Fevereiro-2022)

Apresentação_Boletim_IPCA_INPC_(Fevereiro-2022)

Link para apresentação

 

Reportagem: Kaszenlem Rocha, supervisão de Ary Filgueira – Ascom/Codeplan

Foto: Renato Araújo, Agência Brasília

 

CODEPLAN - Governo do Distrito Federal

Companhia de Planejamento do Distrito Federal

Setor de Administração Municipal - SAM, Bloco H, Setores Complementares - CEP: 70.620-080 - codeplan@codeplan.df.gov.br