Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/01/19 às 13h56 - Atualizado em 30/01/19 às 11h34

Inflação do DF em 2018 fica em 3,06%

IPCA da região foi menor do que o registrado no Brasil, que ficou em 3,75%. Grupo que mais contribuiu para alta foi alimentação e bebidas, pressionado por refeições, tomate e pão francês.

 

Com uma variação de 0,32% em dezembro, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) do Distrito Federal fechou 2018 com uma variação de 3,06%, percentual menor do que o registrado no Brasil, que foi de 3,75% e, também, abaixo do que o do ano anterior para a região, que havia sido de 3,76%.

 

foto apresenta prato com refeição

Foto: Tony Winston/Agência Brasília

O grupo que mais contribuiu para a inflação de 2018 foi Alimentação e Bebidas, que registrou inflação de 4,18%. As refeições, o tomate e o pão francês foram os itens de maior impacto. Em seguida, vem Transportes que, pressionado pelas passagens aéreas e preço dos automóveis novos, registrou variação de 3,66%.

 

Em termos individuais, passagem aérea, energia elétrica e plano de saúde contribuíram com cerca de 1/3 da inflação acumulada no ano. A gasolina, item de grande interesse do brasiliense, apresentou forte desaceleração nos últimos três meses. A queda foi motivada pelo preço internacional do petróleo, que esteve em baixa, e da taxa de câmbio, também em trajetória descendente. Essa queda compensou a elevação registrada ao longo do ano, de forma que o preço do item, que vem sendo tema de destaque desde a greve dos caminhoneiros, encerrou 2018 em patamares próximos aos registrados no fim de 2017.

 

Já o INPC – índice que mede a inflação das famílias de menor renda – teve a menor variação entre as regiões pesquisadas, fechando o ano em 2,24%.

 

Índice CEASA do DF

O ICDF (Índice Ceasa do Distrito Federal) registrou alta, de 7,04% em 2018 frente a uma queda de 0,59% em 2017. Enquanto em 2017 houve super safra, o ano de 2018 mostrou um comportamento um pouco anormal em dezembro. As chuvas intensas do mês acabaram pressionando os preços de tomate, cenoura, batata e cebola.

 

IPCA de dezembro

Em dezembro, o grupo que teve maior variação foi o de Alimentação e Bebidas, com a alta de 0,99%, seguido do grupo Transportes, com 0,57%. No primeiro caso, batata, cebola e feijão foram os principais responsáveis pela alta, no segundo, o destaque é a passagem aérea, devido à sazonalidade do período.

 

Índice CEASA do DF – mês de dezembro

O ICDF de dezembro registrou alta de 6,66% em relação ao mês de novembro. O Setor de Legumes mostrou a maior variação positiva, 9,75%, seguido do Setor de Frutas, 5,78%, do Setor de Ovos e Grãos, 3,40%, e do Setor de Verduras, 0,84%. O tomate extra foi destaque neste período.

 

Após elevação de 148% na média dos preços, em outubro, consequência de chuvas mais intensas em regiões produtoras, o produto se manteve em patamares mais elevados e segue com tendência de alta, devido à queda da produção na região do Distrito Federal e dos custos mais elevados de frete, que incidem sobre os produtos de origem em Santa Catarina, Espírito Santo e São Paulo

 

Reportagem: Angélica Pinheiro/Codeplan

Fotos: Tony Winston/Agência Brasília

CODEPLAN - Governo de Brasília

Companhia de Planejamento do Distrito Federal

Setor de Administração Municipal - SAM, Bloco H, Setores Complementares - CEP: 70.620-080 - codeplan@codeplan.df.gov.br