Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/06/18 às 19h21 - Atualizado em 29/10/18 às 11h53

Mais 18 mil pessoas entram no mercado de trabalho local

A taxa de desemprego total no Distrito Federal, em maio, caiu quando comparada ao mesmo mês de 2017. O índice passou de 20,4% para 19,5%.

 

Esses porcentuais representam a entrada de mais 18 mil pessoas no mercado de trabalho, e há 320 mil brasilienses desempregados.

Os dados são da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), divulgados na manhã desta terça-feira (26) pela Secretaria-Adjunta do Trabalho, da pasta do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

 

No entanto, em relação a abril deste ano, o número de desempregados no DF aumentou em 5 mil pessoas, com pequeno acréscimo: de 19,2% para 19,5%.

 

Essa expansão moderada, segundo a secretaria, decorreu da estabilidade no nível de ocupação e da pequena variação positiva da população economicamente ativa (PEA), de 0,4% ou mais 6 mil pessoas.

 

Entre maio de 2017 e maio de 2018, o desemprego apresentou o seguinte comportamento conforme atributos pessoais e trabalho anterior:

Por sexo: verificou-se decréscimo na taxa de desemprego total entre os homens, que passou de 19,4% da PEA masculina, em maio de 2017, para os atuais 17,2%. Entre as mulheres, houve pequeno aumento, com variação da taxa de 21,5% para 21,8%.

 

Por idade: registrou-se estabilidade nas taxas de desemprego entre os trabalhadores de 16 a 24 anos (permaneceu em 43,6% da respectiva PEA). Para os da faixa etária de 25 a 39 anos, manteve-se em 17%. Por outro lado, houve declínio na taxa dos desempregados de 40 a 49 anos: de 12,4% para 10,8%.

 

Posição na família: a taxa de desemprego dos chefes de domicílio declinou de 11,6% da respectiva PEA, em maio de 2017, para 9,9%, em maio de 2018. Essa queda é justificada pelo aumento dos chefes de família contratados no período, o que reduziu a pressão da PEA.

 

Esse movimento também foi verificado, embora com menor intensidade, para os demais integrantes da casa – foi de 27,6% para 27,2%.

 

“Com mais chefes de família no mercado de trabalho, não há tanta necessidade que os outros membros procurem emprego”, explicou a chefe da Coordenação e Análise, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Adalgiza Amaral.

 

O cálculo da taxa de desemprego é feito com base na soma da expansão ocupacional e a saída de trabalhadores da população economicamente ativa.

 

Trabalho anterior (inédito na pesquisa): entre os desempregados com trabalho anterior, houve redução da taxa de desemprego – que passou de 19% para 17,2%. Inversamente, para os que buscam o primeiro emprego, a taxa de desemprego subiu de 25,1% para 28,5%.

 

“Agora temos uma comprovação de que o mercado procura por quem tem experiência”, destacou Adalgiza.

 

Para o diretor de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas, da Codeplan, Bruno de Oliveira Cruz, o novo dado deve ser visto como um alerta para as políticas públicas. “Ele mostra a importância de inserir os jovens no meio profissional.”

 

Veja a íntegra da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) no DF — maio 2018.

 

 

Reportagem: Marcelo Nantes e Jade Abreu, da Agência Brasília
Edição: Raquel Flores, da Agência Brasília
Fotos: Gabriel Jabur, da Agência Brasília

CODEPLAN - Governo do Distrito Federal

Companhia de Planejamento do Distrito Federal

Setor de Administração Municipal - SAM, Bloco H, Setores Complementares - CEP: 70.620-080 - codeplan@codeplan.df.gov.br